[ breviário de decomposição ]

domingo, 20 de abril de 2008


Enquanto saboreava o meu breakfest num café da minha quadra, li uma interessante matéria de Arthur Dapieve publicada na Bravo! deste mês, chamada A volta do discão de plástico preto.

ali são apresentadas aos leitores algumas contradições: aqueles que sentenciavam em fins da década de 1980 a morte disco de vinil vêem embasbacados menos de 20 anos depois a derrocada do cd (e da indústria fonográfica) diante de tecnologias proporcionadas pela internet, como o mp3 e outros formatos disponíveis para download a um simples clique do computador. e mais: tal qual a fênix, o vinil vem resurgindo das cinzas...

até bem pouco tempo, apenas era possível encontrá-los em sebos e o seu uso, afora colecionados e aficionados, era praticamente restrito a festas regadas por dj's de eletrônica e hip-hop. mas uma reviravolta é anunciada. assim, não soa tão estranho que ontem num passeio à livraria cultura eu tenha visto expostos com destaque exemplares importados (é claro) dos vinis do radiohead (in rainbows), amy winehouse (back to black), duke elington & john coltraine (idem), e outros.

calma! muita calma nessa hora... isso não significa que teremos da noite para o dia as lojas infestadas de lançamentos em vinil não. o mercado ainda é muito pequeno, os custos de produção do velho lp são bastante elevados, incomparáveis em escala com os do cd. por enquanto, só nomes de muito destaque e público fiel têm cacife para ter seus álbuns assim prensados. a agonizante indústria fonográfica é terrível, e além disso os antigos lps, injustamente associados a uma tecnologia obsoleta, possuem um público alvo muito específico, mas incompatíveis com a demanda que, embora crescente, por óbvio é e continuará sendo muito restrita.

afinal de contas, pela portabilidade, individualidade egoísta (que permeia a sociedade nos dias de hoje) e apelo mercadológico, na conjuntura atual não se vislumbra tão cedo o ocaso do mp3 e do ipod (que cá entre nós são mesmo uma gracinha). de toda sorte, ainda bem que minhã mãe não jogou fora o velho toca-discos gradiente que ela tem em casa. qualquer dia desses vou convencê-la a despachá-lo pra cá, pois depois de uma boa revisão ele certamente funcionaria muito bem!

a propósito, sabiam que hoje é Dia do Disco? E o Flickr nos proporciona maravilhas do tipo fazer uma inventiva viagem pictórica por entre as capas de bolachões no saleveface ou ver as piores capas de disco de todos os tempos no reallybadcoverart.#

2 Comments:

  • Já havia lido sobre esta volta dos discos de vinil, mas confesso que à epoca achei improvável supor este retorno nostálgico.
    Sua visão na livraria cultura me faz refletir sobre os ciclos de desenvolvimento do homem, acho que agora não só mais o homem será cíclico.
    Beijos,

    By Anonymous Anônimo, at domingo, 20 de abril de 2008 16:41:00 BRT  

  • eu nunca escutei uma baladinha em discos de vinil, mas claro, se o assunto vem de ti..
    vale a pena conferir

    tbem atualizei ta

    beijoo

    renatinha..
    lakyan

    By Anonymous Anônimo, at domingo, 20 de abril de 2008 17:25:00 BRT  

Postar um comentário

<< Home